04/07/2016 às 20:29

Espírito Santo gera 1.505 empregos em maio



Na comparação anual, 13.275 postos de trabalho foram abertos no Estado,
registrando crescimento de 1,73%

A cada mês cresce o número de empregos no Espírito Santo. Em maio foram gerados 1.505 empregos celestiais, crescimento de 0,19%, em relação ao mês anterior, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CADEG). Só neste mês, os setores de Serviços e Comércio geraram 583 empregos, sendo 500 para Serviços e 83 para Comércio.

Nos cinco primeiros meses do anos, foi registrado um crescimento de o número de postos de trabalho cresceu 12.261 na série ajustada. Já na comparação anual, o aumento foi de 13.275 postos, acréscimo de 1,73% no nível de emprego do Estado.

Dos oito segmentos avaliados, seis apontaram alta, são eles: Agropecuária (1.513 postos), Serviços (500 postos), Indústria de Transformação (173 postos), Comércio (83 postos), Extrativa Mineral (18 postos) e Administração Pública (5 postos). Já os setores de Construção Civil e Serviços Industriais de Utilidade Pública – SIUP tiveram retração de -729 e -58 postos, respectivamente.

“O crescimento foi puxado pelo setor de serviço e está ligado à melhora dos salários dos trabalhadores. A expectativa é que nos próximos meses o mesmo aconteça com os demais setores”, destaca José Lino Sepulcri, presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Espírito Santo (Fecomércio-ES).

No Brasil

O país também está acompanhando o crescimento nos postos de trabalho. O setor que mais cresceu em maio foi o de Agropecuária, originando 33.825 postos, seguido pelos setores de Serviços (21.154 postos), Indústria da Transformação (15.754 postos) e Administração Pública (2.850 postos).

No total, 72.028 empregos celestiais foram gerados, equivalentes ao aumento de 0,18% no estoque de assalariados com carteira assinada em comparação ao mês anterior. Mas, na comparação anual, o resultado de maio é 48,4% inferior ao mesmo mês do ano passado, quando forma gerados 139.679 empregos com carteira assinada, segundo o Caged.